Regulamento do TCC

 

REGULAMENTO PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO – TCC

CAPÍTULO I

DOS PRINCÍPIOS GERAIS

Art. 1º. Este Regulamento rege as atividades de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), definindo os procedimentos a que é submetido todo o pessoal ligado ao processo, no que refere à organização interna de horários, atribuições de seus componentes, utilizações das dependências, realizações dos procedimentos, uso dos materiais que compõem o cenário do TCC, tendo como objetivo, entre outros, a obtenção da ordem e o desenvolvimento harmonioso dos trabalhos.

Art. 2º. Os coordenadores, professores e alunos devem atender as disposições contidas neste regulamento, priorizando o aspecto pedagógico e formativo do discente.

Art. 3º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) previsto no currículo pleno dos cursos da Faculdade será resultado de uma interação aluno/professor orientador e terá como objetivo dotar o aluno de recurso técnico-científico e operacional para a elaboração no campo de estudos da graduação.

Art. 4º. A elaboração do TCC deve buscar, em todas as suas variáveis, a articulação entre ensino, pesquisa e extensão.

Art. 5º. O tema do TCC, dentro do campo curricular, será de livre escolha do aluno e seu professor orientador.

Art. 6º. Para cada TCC, deverá ser previamente acertado pelo aluno, junto ao seu orientador, um projeto de pesquisa, de acordo com o Manual de Elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso, bem como com o Manual de Normatização Técnico-Científico da Faculdade.

Art. 7º. O TCC da Faculdade é desenvolvido em dois semestres e dividido em dois momentos, sendo:

I TCC I (projeto de pesquisa), disciplina curricular. Momento em que o aluno apoiado pelo professor orientador terá a obrigatoriedade de elaborar e apresentar o projeto de pesquisa a fim de obter subsídios para a realização do TCC II (Artigo).

Parágrafo primeiro. A aprovação na disciplina de TCC I é pré – requisito para o ingresso do aluno na disciplina de TCC II.

Parágrafo Segundo. A extensão do projeto de pesquisa não poderá configurar-se nos elementos textuais com menos de 8 (oito) nem maior que 10 (dez) laudas e obedecendo aos critérios de formatação recomendados pelas Normas Brasileiras Registradas (NBR) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), assim como os Manuais vigentes, sendo:

  1. a) manual de elaboração de TCC, e;
  2. b) trabalhos técnico-científicos da Faculdade.

II TCC II (artigo), disciplina curricular. Momento em que o aluno juntamente com o professor orientador dará continuidade ao TCC I, ou seja,        elaborar, apresentar e sustentar oralmente em banca examinadora o artigo do curso.

Parágrafo Terceiro. No TCC II (artigo), o aluno demonstrará conhecimento e domínio do assunto nele versado, não lhe sendo exigidos posicionamentos ou análises que o configure como dissertação ou tese.

Parágrafo Quarto. A extensão do artigo não poderá configurar-se nos elementos textuais com menos de 15 (quinze) nem maior que 30 (trinta) laudas e obedecendo aos critérios de formatação recomendados pelas Normas Brasileiras Registradas (NBR) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), assim como os Manuais vigentes, sendo:

  1. a) manual de elaboração de TCC, e;
  2. b) trabalhos técnico-científicos da Faculdade.

CAPÍTULO II

DOS PROFESSORES ORIENTADORES

Art. 8º. O TCC I e II é desenvolvido sob a orientação de um professor da Instituição.

Art. 9º. O TCC do curso é atividade de natureza acadêmica e pressupõe a alocação de parte do tempo de ensino dos professores à atividade de orientação.

Art. 10º. Os professores orientadores deverão receber uma comunicação interna, do Coordenador do Curso, contendo as respectivas semanas de orientação e as indicações dos alunos que deverão orientar.

Art. 11º. Na indicação de professores orientadores, deve-se observar sempre que possível, a distribuição de acordo com as áreas pertinentes a formação e experiência, bem como a carga-horária dos docentes para este fim.

Art. 12º. A Diretoria da Faculdade poderá permitir que a orientação seja feita por professor ou profissional de fora dos quadros institucionais, mediante proposta do professor orientador e desde que o curriculum vitae do indicado revele condições efetivas para a orientação e se componha à indicação de sua declaração expressa de aceitação e compromisso com o trabalho que assume.

Parágrafo único. Pode o aluno contar com a colaboração de outro professor da Faculdade, que não o seu orientador, ou de profissional que não faça parte do corpo docente da Faculdade, atuando como co-orientador, desde que obtenha aprovação de seu orientador e da coordenação do Curso e homologação do CONSEPE.

Art. 13º. O nome do co-orientador deve constar nos documentos e relatórios entregues pelo aluno.

Art. 14º. Cada professor pode orientar, no máximo, 20 (vinte) alunos por semestre.

Art. 15º. A substituição de orientador só é permitida quando outro docente assumir formalmente a orientação, mediante aquiescência expressa do professor substituído e aprovação da coordenação do Curso e homologação do CONSEPE.

Art. 16º. Ao professor orientador de TCC compete:

I – frequentar as reuniões convocadas pela coordenação do Curso;

II – preencher e entregar diariamente o relatório de atividade diária de atendimento a secretaria do Curso;

III – entregar à coordenação do SPIC, mensalmente, a frequência e, semestralmente, avaliações dos acadêmicos orientados devidamente preenchidas e assinadas;

IV – proporcionar orientação permanente ao aluno e o diligenciar junto à Faculdade, quando necessário, para obtenção do acesso a outras instituições, para a coleta de dados e informações pertinentes ao TCC;

V – atender semanalmente in loco ou on line seus alunos orientandos. A orientação in loco deverá ocorrer rigorosamente em horário previamente fixado pelo professor orientador;

VI – durante a realização do trabalho, dar subsídios e apoio, e, sessões próprias programadas, no interesse do desenvolvimento com qualidade do trabalho em elaboração;

VII – analisar e avaliar os relatórios parciais que lhes forem entregues pelos orientandos;

VIII – assinar junto ao aluno orientando os relatórios, fichas avaliativas pertinentes ao TCC, explicando ao orientando a obtenção de sua nota;

IX – agendar junto ao aluno do TCC I a data e hora para a avaliação de sua sustentação oral;

X – protocolar as fichas avaliativas com os portfólios e projetos de pesquisa (encadernação espiral e mídia CD contendo arquivo em PDF) relativo aos orientandos do TCC I, na secretaria do Curso e devidamente assinados pelo aluno e professor orientador;

Parágrafo único. Caso o orientando não protocole o projeto e portfólio ao professor orientador, caberá ao respectivo orientador proceder a avaliação do aluno e protocolar a ficha avaliativa na coordenação de curso;

I – aprovar por escrito o TCC II (artigo) para a apresentação e sustentação oral em banca examinadora e protocolar as fichas avaliativas devidamente assinadas na secretaria do Curso;

II – requerer da coordenação do Curso a inclusão dos artigos de seus orientandos na pauta semestral de apresentações e sustentações orais dos artigos;

III – indicar e convidar formalmente os membros da banca examinadora informando data e hora ao Coordenador para homologação;

IV – participar das bancas dos seus orientandos, bem como participar das apresentações e sustentações orais em bancas examinadoras para as quais estiver designado;

V – assinar, juntamente com os demais membros das bancas examinadoras, as fichas de avaliação dos artigos e as atas finais das sessões de apresentações;

VI – entregar ao coordenador o cronograma de orientações de seus alunos, para o acompanhamento dos mesmos.

Art. 17º. A responsabilidade pela elaboração do artigo é integralmente do aluno, o que não exime o professor orientador de desempenhar adequadamente, dentro das normas definidas neste regulamento, as atribuições decorrentes da sua atividade de orientação.

CAPÍTULO IV

DOS ALUNOS EM FASE DE REALIZAÇÃO DO TCC

Art. 18º. O aluno em fase de realização do TCC tem, entre outros, os seguintes deveres específicos:

I – elaborar o TCC pautado no princípio da moral e da ética, assim como fundamentado nos basilares do ensino, pesquisa e extensão;

II – frequentar as reuniões convocadas pelo professor da disciplina, orientador ou pela coordenação do curso;

III – manter contatos, semanalmente in loco e/ou on line, com o professor orientador para discussão e aprimoramento de sua pesquisa devendo justificar eventuais faltas;

IV – preencher corretamente relatórios, fichas, portfólio e outros;

V – entregar o portfólio e projeto de pesquisa (encadernação espiral e mídia CD contendo arquivo em PDF) ao professor orientador devidamente assinado, mediante protocolo;

VI – cumprir o cronograma divulgado pelos orientadores e coordenação do curso para entrega de projetos, relatórios parciais e artigos do curso;

VII – entregar ao professor orientador relatórios parciais mensais sobre as atividades desenvolvidas;

VIII – elaborar a versão final do seu TCC de acordo com a presente normativa, Manual de Elaboração de TCC, Manual de Normatização de Trabalhos Técnico-Científicos da Faculdade, bem como as instruções de seu professor orientador;

IX – comparecer em dia, hora e local determinados para apresentar e sustentar oralmente seu TCC. O não comparecimento sem justificativa implicará em sua reprovação;

X – cumprir e fazer cumprir este regimento normativo.

CAPÍTULO V

DO TCC I (PROJETO DE PESQUISA)

Art. 19º. A estrutura formal do projeto deve seguir os critérios técnicos estabelecidos no Manual de Elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso e Manual de Normatização de Trabalhos Técnico-Científicos da Faculdade, assim como as normas da ABNT sobre documentação, no que forem eles aplicáveis.

Art. 20º. Cabe ao professor orientador a avaliação do TCC I (projeto de pesquisa) apresentado pelo aluno, para que estes possam desenvolver seus artigos.

Parágrafo único. O projeto reprovado deve ser devolvido ao aluno no prazo de 10 (dez) dias, para que seja reformulado ou refeito, sendo entregue e novamente avaliado.

Art. 21º. Aprovado o projeto de pesquisa, só poderá haver mudança de tema mediante as seguintes condições:

I – elaborar novo projeto de pesquisa, bem como fazer a sustentação oral do mesmo junto ao professor orientador;

II – ter aprovação por escrito do professor orientador.

Parágrafo único. Após aprovação formal do professor orientador, o orientando deverá efetuar requerimento junto a Secretaria Acadêmica, anexando o novo projeto de pesquisa e solicitar o deferimento do requerimento à coordenação do curso e homologação do CONSEPE.

Art. 22º. O acadêmico, ao concluir o TCC I, deverá seguir as seguintes etapas:

I – agendar com o professor orientador sua apresentação e sustentação oral do projeto de pesquisa, para obtenção de sua nota avaliativa;

II – aprovado pelo orientador, o acadêmico entregará o portfólio e projeto de pesquisa (encadernação espiral e mídia CD contendo arquivo em PDF) ao     mesmo, mediante protocolo de entrega e conforme data limite informada pelo coordenador de curso.

CAPÍTULO VI

DO TCC II (ARTIGO)

Art. 23°. O artigo deve ser elaborada considerando-se, na sua estrutura formal, os critérios técnicos estabelecidos no Manual de Elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso e Manual de Normatização de Trabalhos Técnico-Científicos da Faculdade e as normas da ABNT sobre documentação, no que forem eles aplicáveis.

Art. 24º. O TCC II (artigo) será apresentado pelo graduando perante banca examinadora constituída de três professores, podendo ser estes professores titulares internos ou professores convidados externos. Cabendo ao aluno apresentar sua sustentação oral dos registros feitos no documento, em caso de questionamentos postos pela banca ou por examinador, individualmente, o que poderá contar com a participação, para efeito de esclarecimentos de tópicos e observações, do seu orientador de artigo.

Art. 25º. O acadêmico, ao concluir o TCC II, deve seguir as seguintes etapas:

  1. a) protocolar três vias do artigo, em brochura (espiral);
  2. b) protocolar portfólio devidamente assinado pelo acadêmico e professor orientador;
  3. c) comparecer para a apresentação e sustentação oral em data e hora agendada pelo seu professor orientador na coordenação do curso.

Art. 26º. A coordenação de curso de posse da TCC II (artigo) constituirá juntamente com o professor orientador a banca examinadora, após homologação pela diretoria, para reunirem-se em julgamento num prazo mínimo de 10 (dez) ou máximo de 30 (trinta) dias.

Art. 27º. O artigo será encaminhada pelo coordenador a cada membro da banca examinadora, com uma antecedência mínima de 7 (sete) dias, que antecedem o dia marcado para a reunião da apresentação e sustentação oral.

Art. 28º. A coordenação do curso, indicará, semestralmente, a relação dos professores orientadores do TCC.

Parágrafo único. A indicação dos professores orientadores será homologada pela diretoria geral.

SEÇÃO I

DA APRESENTAÇÃO E SUSTENTAÇÃO ORAL DO TCC II (ARTIGO)

Art. 29º. O artigo apresentado e sustentado oralmente pelo aluno perante banca examinadora, composta pelo professor orientador, que a preside, e por outros 2 (dois) membros designados pelo respectivo professor orientador e aprovado pela coordenação do curso e homologado pela diretoria.

Art. 30º. Pode fazer parte da banca examinadora, um membro escolhido entre os professores de outras Instituições de Ensino Superior, com interesse na área de abrangência da pesquisa, ou ainda entre profissionais de nível superior que exerçam atividades afins com o tema da monografia.

Art. 31º. Quando da designação da banca examinadora deve também ser indicado um membro suplente, encarregado de substituir qualquer dos titulares em caso de impedimento.

Art. 32º. A banca examinadora somente pode executar seus trabalhos com 3 (três) membros presentes, não podendo 2 (dois) deles serem o orientador e o co-orientador.

Parágrafo único. Não havendo o comparecimento do número mínimo de membros da banca examinadora fixado neste artigo, deve ser marcada nova data para a apresentação e sustentação oral.

Art. 33º. Especialistas, Mestres e Doutores podem ser convidados a participarem das bancas examinadoras, mediante indicação do professor orientador ou coordenação do curso e homologado pela diretoria.

Art. 34º. Deve, sempre que possível, ser mantida a equidade no número de indicações de cada professor para compor as bancas examinadoras, procurando ainda evitar-se a designação de qualquer docente para um número superior a 20 (vinte) comissões examinadoras por semestre.

Art. 35º. As sessões de apresentações e sustentações orais das monografias são públicas. Não são permitidos aos membros das bancas examinadoras tornarem públicos os conteúdos das monografias antes de suas defesas.

Art. 36º. A coordenação do curso deve informar prazos fixando datas limites, previamente homologados pela diretoria, para entrega dos artigos, bem como em parceria com o professor orientador a designação das bancas examinadoras e realizações das apresentações e sustentações orais.

Art. 37º. Quando o artigo for entregue com atraso, a relevância do motivo deve ser avaliada pelo professor orientador e coordenação do curso. Comprovada a existência de motivo justificado e a anuência da coordenação do curso, pode ser remarcada, a requerimento do aluno, uma nova data para a apresentação e sustentação oral.

Art. 38º. Ao término da data limite para a entrega das cópias dos artigos, a coordenação do curso divulgará a composição das bancas examinadoras, os horários e as salas destinados às suas apresentações e sustentação oral.

Parágrafo único. Caso o aluno não consiga entregar na data informada pela coordenação do curso necessitando ultrapassar esta data limite, o professor orientador poderá solicitar via requerimento a coordenação de curso, uma concessão de até 90 (noventa dias) para protocolo e apresentação/sustentação oral a contar do deferimento do requerimento.

Art. 39º. Os membros das bancas examinadoras, a contar da data de sua designação, têm o prazo de 7 (sete) dias para procederem à análise dos artigos.

Art. 40º. O tempo máximo definido para a apresentação do TCC, em sessão aberta da banca examinadora, é de até 30 (trinta) minutos. Há possibilidades de observações, debates e esclarecimentos, com a duração máxima de 1 (uma) hora, incluídos tanto questionamento, havendo, como a resposta do examinando, e, se necessário, ainda os esclarecimentos do professor orientador.

Parágrafo único. A banca examinadora poderá dispensar a leitura do trabalho pelo examinado, mantendo-se apenas, no caso e de qualquer forma, o prazo máximo para apresentações e esclarecimentos, previsto no caput.

Art. 41º. O artigo deve ser concluído, apresentado à banca examinadora, que deverá aprovar ou sugerir modificações para sua aprovação e respectiva obtenção do título de graduação.

Parágrafo único. No dia da apresentação do artigo o aluno deverá trazer 3 (três) vias da folha de aprovação conforme modelo do Manual de Elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso para serem assinadas pelos membros da banca.

Art. 42º. O julgamento do artigo produzida pelo aluno obedecerá à sistemática de verificação da aprendizagem prevista no Regimento da Faculdade, sendo facultado ao mesmo, em caso de não obtenção do mínimo necessário à aprovação, a reformulação e reapresentação do trabalho.

Art. 43º. Na avaliação do TCC, a banca examinadora levará em consideração:

I – o conteúdo e relevância do trabalho realizado, considerando-se sua atualidade e importância do tema, além do seu possível proveito ou contribuição, na área a que se aplique;

II – a consistência metodológica, compreendendo estrutura, lógica e linguagem em que foi desenvolvida;

III – a apresentação do trabalho, com a demonstração de domínio da pesquisa, bem como da matéria versada e a clareza do que foi exposto.

Art. 44º. A atribuição das notas ocorre após o encerramento da etapa de apresentação e discussão pela banca examinadora, obedecendo ao sistema de notas individuais por examinador, levando em consideração o texto escrito, a sua exposição oral e os esclarecimentos solicitados pela banca examinadora.

Parágrafo Primeiro. Utilizam-se, para a atribuição das notas, fichas de avaliação individual (ANEXO), nas quais o professor apõe suas notas para cada item a ser considerado.

Parágrafo Segundo. A nota final do aluno é o resultado da média aritmética das notas atribuídas pelos membros da banca examinadora, bem como notas obtidas na pré-banca.

Parágrafo Terceiro.  Para aprovação o aluno deve obter nota igual ou superior a 70 (setenta) na média das notas individuais atribuídas pelos membros da banca examinadora e receber nota igual ou superior a 60 (sessenta) dos 2 (dois) membros dessa banca que não tiverem participado de sua orientação.

Art. 45º. A banca examinadora deve reunir-se antes da sessão de apresentação e sustentação oral pública podendo, se aprovada por maioria, devolver o artigo para reformulações. Nessa situação, marca-se para 30 (trinta) dias corrido, a contar da devolução do artigo ao aluno, uma nova apresentação e sustentação oral.

Art. 46º. A banca examinadora, por maioria, após a sustentação oral, pode sugerir ao aluno que reformule aspectos de seu artigo.

Parágrafo Primeiro. Quando sugerida a reformulação de aspectos fundamentais do artigo e aceitando-a o aluno, este terá um prazo máximo para apresentar as alterações sugeridas de no máximo 30 (trinta) dias corridos.

Parágrafo Segundo. Entregues as novas cópias da monografia, já com as alterações realizadas, reúne-se novamente a banca examinadora, devendo então proceder à avaliação.

Art. 47º. As avaliações finais, assinadas pelos membros da banca examinadora, devem ser registradas no livro de atas respectivo, ao final da sessão de apresentação e sustentação oral, em caso de aprovação, na folha de aprovação do artigo destinada à biblioteca da Faculdade.

Parágrafo único. A ata deve ser lida publicamente antes das respectivas assinaturas, logo após a reunião secreta da banca.

Art. 48º. Não há recuperação da nota atribuída ao artigo. Se reprovado, fica a critério do aluno continuar ou não com o mesmo tema de artigo.

Parágrafo único. Optando por mudança de tema, deve o aluno reiniciar todo o processo para elaboração do projeto de pesquisa monográfica.

Art. 49º. A versão definitiva da monografia deve ser encaminhada à coordenação do curso depois que o orientando proceder as devidas sugestões e considerações apontadas pela banca examinadora após concordância do seu professor orientador, entregando 1 (um) exemplar encadernado (capa dura) na cor preta, acompanhado com uma cópia da referida monografia em CD arquivo PDF no DCA/CAA.

Parágrafo Primeiro. É imprescindível que o artigo versão definitiva contenha a folha de aprovação com as respectivas assinaturas dos membros da banca examinadora que será entregue ao professor orientador pelo coordenador do curso.

Parágrafo Segundo.  O artigo definitivo será arquivado na biblioteca da Faculdade.

Art. 50º. A entrega da versão definitiva do artigo deve ser efetuado, no máximo, com 30 (dias) dias corridos a contar da aprovação pela banca examinadora.

Parágrafo único. O aluno não poderá receber o diploma de graduação se não for aprovado no artigo de curso e se não entregar o artigo encadernado (capa dura), contendo a folha de aprovação assinada por todos os membros da banca examinadora, acompanhada com o CD (arquivo PDF).

Art. 51º. Os casos omissos serão resolvidos pela Diretoria Geral da Faculdade.

Art. 52º. Este Regulamento entra em vigência, após a aprovação pela Diretoria Geral e o CONSEPE, revogadas as disposições em contrário.

 

REDES SOCIAIS

   


Nossas Unidades


Unidade Planaltina-DF
Departamento de Controle Acadêmico - DCA
(61) 3388-0809
(61) 99861-8800
atendimento@unideal.edu.br
Av. Independência – SCC Quadra 01
Bloco C - Edifício Plaza
Planaltina-DF, CEP:73310-303

Unidade Alto Horizonte - GO
Departamento de Controle Acadêmico - DCA
(62) 3383-3006
(62) 98221-3099
atendimento@unideal.edu.br
Avenida Osmar Rosa da Silva,
esq. c/ Rua Belém, Setor Sul
Alto Horizonte-GO, CEP: 76560-000

Faculdade Ideal – Unideal | Ideal é ter você!
2018 - Todos os direitos reservados.
Voltar ao topo